Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

COREIA DO NORTE ENFRENTA PIOR SECA DOS ÚLTIMOS 100 ANOS

Mäyjo, 27.06.15

coreia_SAPO

A Coreia do Norte está a enfrentar a pior seca do último século, cenário que poderá agravar a escassez de alimentos já existente naquele país, onde a subnutrição infantil é um problema persistente.

“A pior seca dos últimos 100 anos continua na República Democrática Popular da Coreia, estando a causar estragos nos campos agrícolas”, noticiou a agência de notícias oficial do país, a KCNA.

Segundo a KCNA, escreve o New York Times, mais de 30% dos campos de arroz do país estão a secar. “Os níveis dos reservatórios estão muito baixos, os rios e riachos estão a secar”, indica ainda a agência noticiosa.

O Ministério da Unificação sul-coreano (que gere os assuntos intercoreanos) estimou que a produção alimentar na Coreia do Norte pode diminuir 10% comparativamente com 2014. Caso não chova até ao início de Julho, a situação podem complicar-se no território norte-coreano e a produção alimentar recuar até 20% face ao último ano, alerta o executivo de Seul.

Embora as entidades oficiais do país afirmem que a Coreia do Norte está a atravessar uma grave seca, não existem provas internacionais de que seja a pior do último século. As Nações Unidas confirmam, porém, que existe uma falta anormal de pluviosidade no país.

A Coreia do Norte, cuja economia e agricultura estão devastadas depois de várias décadas de má gestão e aplicação desmesurada de recursos num controverso programa nuclear, enfrentava um cenário de fome em meados da década de 1990, que tem vindo a ser apaziguado nos últimos anos.

Na altura, centenas de milhares de pessoas não resistiram à fome e morreram. Caso a nova seca se confirme e os danos na produção agrícola forem graves o cenário pode voltar a repetir-se.